Secretaria de Educação deve solicitar abertura de processo administrativo para apurar acidente com criança em creche de Getúlio Vargas
04/06/2019 17:05 em Geral

 

Na tarde de ontem, segunda-feira (03), o menino Emanuel Davi Silva do Amaral, de cinco anos, sofreu uma queda enquanto brincava na quadra da Escola Municipal de Ensino Infantil (creche) Estanislau Olejnik, no bairro São Pelegrino em Getúlio Vargas, e teria batido a cabeça no chão.

De acordo com as informações da direção da Escola, ele foi socorrido pelas professoras responsáveis, seguindo as orientações para esse tipo de caso.

Em nota, a direção da Escola se manifestou relatando que o menino tropeçou e caiu, sendo que no momento a auxiliar que cuidava o recreio  o socorreu e que ele saiu caminhando normalmente. Ainda segundo a nota “a professora comunicou a direção, que conversou com a criança sendo que a mesma estava consciente e respondeu as perguntas dizendo que estava bem”.

A diretora Elaine Alves Machado disse ainda que “no momento em que a criança estava na sala da direção, uma mãe que é técnica em enfermagem chegou à escola e ajudou a direção a fazer testes para ver se a criança estava bem. Enquanto isso a secretária da Escola tentava comunicação com a família da criança, sem êxito, sendo que é de costume a escola comunicar aos pais quando ocorre qualquer incidente com as crianças. Nesse momento o pai da criança chegou à escola e foi informado do acontecimento e orientado a levar a criança ao pronto socorro para tirar possíveis dúvidas”.

Ainda de acordo com Elaine, ao sair da escola a criança aparentava estar bem.

O pai do menino, Emerson Amaral, bastante revoltado com o fato, discorda das declarações da Escola e diz que o menino não estava bem quando foi buscá-lo . "Ele não conseguia nem caminhar direito e falava com língua meio enrolada", afirmou.

Segundo Emerson, não teria sido dado o devido tratamento para o caso enquanto o menino estava no educandário e contesta a declaração de que a Escola não teria conseguido contatar com a família, uma vez que haviam diversos números de telefone de familiares, os quais não teriam sido contatados pela Escola. Além disso, conforme palavras de Emer, no momento em que o acidente ocorreu não teria nenhuma monitora cuidando das crianças que estavam brincando.

Em contato com a Secretaria Municipal de Educação, a secretária, Sandra Betiatto, esclareceu que será aberto um processo administrativo interno, quando as partes serão ouvidas e os fatos apurados para estabelecer o que realmente aconteceu.

Em relação ao estado de saúde de Emanuel, no início da tarde de hoje ele permanecia em observação no Hospital da Cidade, em Passo Fundo.   

 Texto e edição: Nilton Pergher

 Produtores e indígenas de Erebango participam de Tarde Técnica em Olericultura

COMENTÁRIOS