Conselho da Comunidade reúne representantes da região em busca de melhorias para o Presídio
22/01/2016 17:26 em Cidade
Após a reunião que aconteceu no Fórum local, os presentes foram convidados a ir até o Presídio e conhecer um pouco das condições do local
 
Em busca de algo que já está em pauta há muito tempo à nível de Estado e também País, o Conselho da Comunidade para Assistência aos Apenados do Presidio Estadual de Getúlio Vargas, fundado em 2010, realizou uma reunião com representantes do Poder Público Municipal das Comarcas de Getúlio Vargas e Tapejara, que juntas abrangem 11 municípios.
 
A reunião teve como objetivo explanar as necessidades do sistema prisional de Getúlio Vargas, apresentando soluções práticas, propondo parceria com os Municípios das Comarcas e também realizando uma visita nas dependências do Presídio que hoje em dia tem 117 apenados, mas tem capacidade somente para 56, sendo aproximadamente 90% usuários de drogas.
 
De acordo com Claudia Richetti, Administradora do Presídio, que já trabalha há 23 anos no local, uma reunião como esta é muito importante para conscientizar os Municípios, porque o Presídio de Getúlio Vargas abrange a comarca também de Tapejara. “Temos que proporcionar boas condições pois é também uma questão de segurança e humanidade, pois todos os presos que estão lá logo vão voltar para o convívio da comunidade. Temos que procurar fazer o melhor que a gente puder, para que eles retornem melhores para a sociedade, e isso resulta em segurança para todos os municípios da região, então é importante que cada um contribua com a sua parcela, já que à nível de estado está tão difícil conseguir recursos”, comenta Cláudia.
 
A administradora ainda afirma que “lá dentro há todo um trabalho de ressocialização dos presos e também de recuperação, pois os que estão lá e querem largar a dependência química realizamos o atendimento médico e psicológico”. Quanto à ampliação do local, Cláudia comenta que a Susepe já tem um projeto há anos, mas ainda nada foi concretizado. 
       
“A visão que muitos têm, de que o apenado como cometeu um delito deve sofrer dentro do sistema prisional, é errônea, pois um dia essa mesma pessoa volta a conviver com a comunidade, e as condições que vivia podem afetar, provocando revolta"
 
Mariana Bezerra Salamé, juiza da 1ª Vara da Comarca de Getúlio Vargas, e diretora do Fórum, se surpreendeu com a presença de representantes de todos os municípios. “Estou feliz pelo sucesso da reunião, espero que possamos avançar nessa pauta, que é difícil, e que todos possamos ter um olhar diferenciado, porque em breve essas pessoas estão de volta conosco na sociedade. Não basta apenas a medida de penalização, mas precisamos também de reinserção social, e isso nós só vamos poder fazer dando oportunidades através do trabalho e do estudo. Então espero que todos possamos juntos construir alternativas para nossa comunidade, resolver os problemas, e de coração aberto tentar ao máximo absorver todo o conhecimento que o Conselho tem pra passar”.
 
A proposta apresentada é para a ampliação da sala de costura onde os presidiários têm a oportunidade de aprender uma profissão, ocupar seu tempo, obter renda e remição de pena. Construção da sala de aula e biblioteca com 40m², colocação de tela de proteção no pátio, devido a grande quantidade de objetos, como celular e até drogas, que são arremessados para dentro do pátio. Compra de equipamentos para concluir o consultório odontológico, que já possui a cadeira para consultas, doada pela Prefeitura Municipal de Getúlio Vargas que também deve ceder, através da Secretária de Saúde, o dentista para realizar o atendimento. 
 
Outro ponto importante foi a explanação sobre o Presídio Estadual do Município ter sido contemplado pelo Programa de Capacitação Profissional e Implementação de Oficinas Permanentes (Procap), programa do Fundo Penitenciário Nacional do Ministério da Justiça, onde serão disponibilizados recursos para efetuar o treinamento com certificação do Senai, de costura. “Aqui no Rio Grande do Sul, neste 4º ciclo do Procap, somente o nosso presídio e a penitenciária feminina de Guaíba foram contemplados, então tivemos um privilégio pois com o programa virá verba para a compra de 17 máquinas de costura para capacitação, então precisamos de um espaço para colocar esse equipamento e treinar essas pessoas que querem trabalhar”, conta João Carlos Oleksinski de Andrades, que faz parte do Conselho Fiscal.
 
O orçamento apresentado é estimado em R$ 180 mil, sendo que ficaria dividido da seguinte maneira entre os Municípios: Tapejara e Getúlio Vargas, que possuem o maior número de presos no presídio, cederiam R$30 mil cada, e os demais 9 municípios, R$ 15 mil cada, somando ao todo R$ 195 mil, possivelmente assim possibilitando a compra dos equipamentos que faltam para colocar em funcionamento o consultório odontológico.
 
Após a reunião, foi realizada uma visita às dependências do Presídio, onde todos puderam conhecer de perto as condições vividas lá dentro. A maioria dos presentes se manifestou a favor da proposta, sendo assim nas próximas semanas deve ser enviado às Prefeituras, um oficio de requisição da verba.

Cela mais conhecida como 'solitária' 

'Solitária'

Pátio do Presídio

Representantes dos Municípios conhecendo as instalações

Cela com quatro camas que abriga atualmente 10 apenados

FOTOS: BRUNA SALVADOR / TRIBUNA GETULIENSE

COMENTÁRIOS