Vacinação contra a febre aftosa começa amanhã (1º/05)
30/04/2018 - 18h01 em Geral

A vacinação de bovinos e búfalos contra febre aftosa começa amanhã (1º), em todos os estados e no Distrito Federal. A exceção é o Amapá, que concentrará a imunização no período de setembro a novembro, e Santa Catarina, onde a doença foi eliminada. De acordo com o Ministério da Agricultura, o pecuarista que descumprir a medida estará sujeito a autuação e multa, cujo valor varia conforme regras de cada unidade da Federação.

Segundo calendário do ministério, enquanto a maioria dos produtores do país ficará responsável por imunizar todo o rebanho bovino e bubalino, os pecuaristas do Acre, Espírito Santo e Paraná deverão vacinar, nessa primeira fase, os animais com idade até 2 anos, estendendo a imunização aos demais somente em novembro.

Em parte dos estados de Roraima, Rondônia, do Pará e Amazonas, o cronograma de vacinação foi iniciado em março e abril. No caso do Amapá, a imunização, programada entre os dias 5 de setembro e 15 de novembro, deverá contemplar bovinos e búfalos de todas as faixas etárias.

Auditores fiscais do ministério acompanham a cobertura vacinal, verificando, a partir de amostras de sangue, se os animais estão sendo realmente imunizados. Além dessa coleta, os fiscais também conferem a declaração de vacinação e a nota fiscal de compra apresentadas pelos produtores.

Em junho do ano passado, o governo federal já havia anunciado, com o objetivo de reduzir custos, a retirada do sorotipo C da vacina, após o Centro Americano de Febre Aftosa concluir que essa variedade do vírus não circula mais na América do Sul.

Caso o animal manifeste reações à vacina, como algum tipo de lesão vesicular ou sintomas como salivação excessiva e dificuldade de locomoção envolvendo manquejar do animal, o criador deve acionar imediatamente o serviço veterinário oficial.

Atualmente o Rio Grande do Sul é considerado “zona livre de aftosa com vacinação” – desde 2002 não há circulação viral, e último foco foi em Joia. O RS é o único estado brasileiro a doar vacinas contra a doença, beneficiando os pecuaristas familiares enquadrados no Pronaf e no PecFam – o que representa 78% dos produtores. Cerca de 14 milhões de animais deverão receber a imunização. “Com o cumprimento dos recursos orçamentários, sem cortes, vamos atender à ampla maioria dos proprietários de bovinos do RS”, ressaltou o secretário da Agricultura e Pecuária do RS, Ernani Polo.

Fonte: Agência Brasil com informações da Cotrisoja.

 

COMENTÁRIOS