Em oito anos obesidade aumenta 7,2% no Brasil
22/01/2018 - 16h09 em Saúde

Pesquisa foi realizada com usuários de planos de saúde de todo o país

Uma pesquisa divulgada no dia 15 pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) revelou que o índice de obesidade aumentou entre usuários de planos de saúde. Foram 53 mil pessoas ouvidas em todo o Brasil, por telefone, como parte do Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel).

Em 2008, quando esta mesma pesquisa foi realizada, 46,5% dos entrevistados apresentavam o Índice de Massa Corpórea (IMC) acima dos 25 pontos (considerado obesidade). Na nova edição da pesquisa, realizada em 2016, o índice subiu para 53,7%.

O Índice de Massa Corpórea é um dos parâmetros utilizados pela Organização Mundial da Saúde para identificar se uma pessoa está em um peso correspondente à sua altura. O valor é calculado dividindo o peso da pessoa pela sua altura ao quadrado [multiplicada por ela mesma]. Quando atinge ao menos 30 pontos de IMC, uma pessoa é considerada obesa, o que é o caso de 17,7% dos usuários de planos de saúde.

A pesquisa também constatou uma melhora significativa na alimentação dos entrevistados. O número de adultos que consomem refrigerantes ao menos cinco vezes por semana caiu de 26,2% para 14,7%.

O percentual de pessoas que trocam refeições por lanches começou a ser medido em 2013 e também caiu, de 19% para 15,6%. Por sua vez, o hábito de comer hortaliças e frutas com regularidade cresceu de 27% em 2008 para 30,5% em 2016.

A população que pratica ao menos 150 minutos de atividade física moderada ou intensa semanalmente cresceu de 37,4% em 2010 para 42,3% em 2016. A inatividade física, por outro lado, caiu cinco pontos percentuais, de 19,2% para 14,2%.

Informações: Agência Brasil

 

COMENTÁRIOS