Presídio tem ala interditada e 61 presos transferidos para o regime domiciliar
07/03/2017 - 11h36 em Geral

 

 

Por determinação da Justiça a Ala 1 foi interditada e 60 detentos transferidos para o regime domiciliar, na madrugada do último sábado, 04 de março,no Presídio Estadual de Erechim.  A interdição foi um pedido do Ministério Público, devido a superlotação na penitenciária, o que coloca em risco, agentes penitenciários, apenados e a própria comunidade.

O pedido foi acolhido pelo juiz titular da 2° Vara de Execuções Criminais da Comarca de Erechim, Antônio Carlos Ribeiro na sexta-feira, 03 de março. Na madrugada de sábado, Superintendência de Serviços Penitenciários (Susepe) mobilizou então uma força-tarefa para cumprir a determinação de transferência dos presos e a interdição da Ala 1, destinada para detentos dos regimes aberto e semi-aberto.

Para passar ao regime domiciliar, os apenados precisaram cumprir uma série de exigências, entre elas, já estar trabalhando, ter cumprido um sexto da pena e ter residência fixa. Eles deverão se apresentar diariamente à direção do presídio e após seguir para seus domicílios, de onde devem sair apenas para trabalhar, inclusive nos sábados, domingos e feriados.

A quantidade de detentos transferidos para o regime domiciliar pode aumentar, pois nos próximos dias alguns dos presos devem apresentar cartas de emprego, recebendo assim o direito de cumprir a pena em casa.

A medida deve valer até que seja construído um albergue nas dependências da penitenciária, o que deve ocorrer com a utilização do pavilhão de reciclagem de resíduos, nos fundos do terreno.

O Presídio Estadual de Erechim possui capacidade para cerca de 250 presos e atualmente está com o dobro da sua capacidade. Entre os problemas encontrados na Ala 1 estão a falta de camas e banheiros em número suficiente e pouca ventilação.

 

Por Alan Dias / JBV Online

Foto: Alan Dias / JBV Online / Arquivo

 

COMENTÁRIOS