Polícia Civil de Sertão descobre fraude de 5 milhões de reais contra o IPE/RS
18/02/2017 - 9h18 em Polícia

 

A identificação dos envolvidos ainda não foi divulgada pela Polícia   

Os agentes da Delegacia da Polícia Civil do município de Sertão, coordenados pelo Delegado Regional Adroaldo Shenkel, investigam uma fraude contra o Instituto de Previdência do Estado do Rio Grande do Sul – IPE/RS que poderá ultrapassar os valores de R$ 5 milhões. 

As investigações iniciaram após a tentativa de uso de uma procuração falsificada com origem em Sertão. O alvo das diligências foi a situação de uma pensionista do IPE que recebia há muitos anos uma pensão em decorrência do falecimento do seu marido, Sargento da Brigada Militar, com créditos mensais no Banrisul de Blumenau/SC, e um familiar que movimentava a conta. 

Durante as investigações foi descoberto que a pensionista já havia falecido ainda em 1995 e sepultada em Passo Fundo. Porém, não foi localizado o registro de óbito. Após o falecimento, mediante procurações e outros documentos falsificados, o procurador permaneceu recebendo os valores até há pouco tempo, ou seja, quase 22 anos. 

Os policiais solicitaram quebras de sigilos bancários, comprovando que os valores estavam sendo aproveitados pelo acusado e sua filha, através de cheques, transferências, compras e pagamento de contas com o uso do cartão da conta em nome da pensionista falecida. 

Nesta sexta-feira (17), os agentes da DEFREC cumpriram mandados de busca e apreensão na residência dos investigados em Passo Fundo e apreenderam diversos documentos que vão ser analisados pela investigação. 

O IPE foi alertado da fraude e informou que, sem correção, os valores ilicitamente pagos já superam 620 mil reais. O Delegado Schenkel aponta que o prejuízo poderá ultrapassar os 5 milhões de reais. 

Devido as investigações estarem em andamento a identificação dos envolvidos ainda não foi divulgada. Mas, os acusados principais são o filho de criação da pensionista falecida e sua neta. 

Com a conclusão do inquérito policial, eles poderão ser indiciados por estelionato, falsificação e uso de documentos falsos e falsidade ideológica.

 

Fonte; Rádio Uirapuru

COMENTÁRIOS